domingo, 18 de dezembro de 2016

ENCONTRO COM JORGE LUIS BORGES



... EM BUENOS AIRES ...

11.12.2016 no interior do Café LA BIELA
Vale a pena ler a história do local em português no site do Café!
Aqui logo se conhece parte da história de Buenos Aires!


NA PISTA DE JORGE LUIS BORGES
  
Sempre escrevi poesias e poderia escrever um livro em forma poética, mas... ultimamente deixei de lado esta veia natural que agora, via Buenos Aires, me voltou a inspirar,  ainda mais depois que peguei no braço de Jorge Luis Borges no café e restaurante La Biela e de quem plagiei “ genuinamente” o poema Instantes! E se não houvesse mais nada a falar de Buenos Aires do que deste poeta consagrado, já seria merecedor de uma homenagem neste meu blog. Mas, pasmem... ao buscar por seus dados na Wikipedia eu me surpreendi por ele  ter vivido na Suíça no começo e no final da vida dele! Estranha coincidência e mais um motivo para prestar minha homenagem aqui, via meu plágio!
Ambiente exterior do La Biela e a noite!



Relatório da Viagem a Buenos Aires
De 08 a 12 de Dezembro de 2016

RELATO DE MINHA CHEFA AOS SEUS AMIGOS
(que resume o que vou expor em detalhes e com imagens a seguir)

ADOREI Buenos Aires – amei o ambiente de cultura, arte, boemia, elegância; amei os cafés tradicionais, onde se reuniam intelectuais como Jorge Luis Borges, Byo Casares, Afonsina Storni e outros, amei a arquitetura – a catedral de Buenos Aires é simplesmente maravilhosa – amei os museus, o Teatro Colon – as livrarias – a livraria Ateneu é incrível de linda, amei o Puerto Madero, bairro elegante, com cafés charmosíssimos... adorei o show de tango.... enfim tudo!
Encontramos-nos com Xavier de Mahieu, filho do já falecido escritor, pesquisador, antropólogo, ... Jacques de Mahieu (descendência francesa), cujos livros li quase todos (ele defendeu a tese da presença Viking na América do Sul, inclusive no Brasil). Foi um encontro incrível no Café Tortoni (ambiente dos anos 20 do século passado, charmosíssimo), onde também se reuniam Jorge Luis Borges, Carlos Gardel, Afonsina Storni.... ele vaio com a esposa dele, Marcela e foi um papo incrível – quero mencionar o Jacques de Mahieu e suas teses em meu livro e o filho dele autorizou publicar fotos dele...
Os portenhos tem uma característica interessante: eles fazem figuras de pessoas interessantes e as colocam nos locais que estas pessoas frequentavam. Assim no Café Tortoni tem uma mesa onde se vê as figuras de Jorge Luis Borges, Carlos Gardel e Afonsina Storni, absolutamente autênticas, que parecem tão reais que até assusta, com os mínimos detalhes, que até as veias dos braços se vê...  e no Restaurante Biela tem uma mesa onde estão sentados Jorge Luis Borges e Byoi Casares, a mesa em que os dois costumavam se encontrar para conversar... é incrível!

  
AGORA SEGUE MINHA INTRODUÇÃO
Virou rotina, já com Sr. Sergius, depois de um meeting ou viagem eu fazer um relatório com fotos e detalhes diversos. Desta vez a viagem foi mais pessoal que comercial, embora tenhamos tido a oportunidade rara de primeiro achar, depois contatar e finalmente de marcar um encontro com o filho de Jacques de Mahieu, do qual Elisabeth é fã e possui todos seus livros editados em alemão. Elisabeth, para quem não sabe, é viúva do artista plástico, empresário, filantropo e ecologista Sergius Erdelyi, de quem fui assistente por 5 anos e após sua morte (em janeiro de 2015), tornei-me assistente de Elisabeth Loibl, formada em Letras, e Escritora de livros infanto-juvenis pela Editora Melhoramentos, porém foi pela Edicon que recebeu o prêmio Clio com seu livro DEUSES ANIMAIS.

Elisabeth também é formada e apaixonada por Arqueologia pela USP-SP (ela é alemã, porém se criou em São Paulo onde viveu por quase 60 anos e onde conheceu Sergius, que tendo emigrado da Áustria, veio direto para São Paulo onde logo se tornou um empresário e artista plástico de sucesso internacional).
E aqui caí eu, com cidadania Suíça! Muito curioso: no meio de uma cidade pequena, da qual a maioria nem ouviu falar,  em uma fazenda, reuníamos nós três os países falantes do idioma alemão: Alemanha, Áustria e Suíça!
Assim, a maior parte das viagens de Elisabeth são para reunir material fotográfico e atualizado de seu manuscrito, escrito há mais de 30 anos, BRASIL, UM ENIGMA DE MAIS DE 50 MIL ANOS!
Enquanto isso se pode apreciar sua paixão pela arqueologia via seus livros editados pela Melhoramentos, adotados por muitas escolas privadas pelo Brasil afora, onde, volta e meia é convidada para dar palestras.

Tive sorte, portanto, de trabalhar com Sergius e depois com Elisabeth, pois tenho paixão por Artes e Arqueologia,  e, coincidência ou não, eu tinha trazido de São Paulo um dos vários livros editados por Jacques de Mahieu, OS VIKINGS NO BRASIL – comprado em algum sebo próximo a Paulista, pelo ano de 2007 ainda. Também havia comprado o livro de Ludwig Schwennhagen, que defende a teoria da visita dos fenícios ao Brasil antes de 1.500, já Mahieu defende a teoria da visita dos vikings. Leia mais detalhes quando falo do nosso encontro em Buenos Aires com o filho de Jacques de Mahieu.

(Fato curioso relacionado à Ludwig S. cujo sobrenome o pessoal do Nordeste não conseguia pronunciar – soubemos disso quando estivemos na Paraíba em abril deste ano nas pegadas dos dinos e da Pedra de Ingá, esta última exaustivamente estudada por ambos autores citados – e pelo mundo todo! e aqui mal se conhece o nome da Pedra de Ingá e de seu valor arqueológico fora do âmbito da Arqueologia! Bem, voltando ao sobrenome de Ludwig: alguém nos falou que por lá ele era chamado de Chove na Água... eu ri muuuuuito – pois essa é a pronúncia mais próxima em português do sobrenome alemão-austríaco Schwennhagen, lembrando que o Sch em alemão é o nosso Xis – mas com o W logo a seguir, fica complicado pronunciar Xwenhagen – segue minha dica esperta: pode-se pronunciar o W com um leve som de U, como no inglês, para facilitar, aí fica Xuénhagen... que fica muito próximo da pronúncia original em alemão ;-).

Conclusão
Esta viagem a Buenos Aires incluía, portanto, fora o comemorar antecipado do niver de Elisabeth, fazer contato com Xavier de Mahieu e levarmos um kit do livro ART EXPERIMENT, editado final do ano passado pela Art Unlimited, com a magnífica curadoria do holandês Pieter Tjabbes (que conseguiu a proeza de mostrar nos dois volumes aprox. dez por cento do material de arte produzido por Sergius durante 75 anos, sendo que viveu até quase 95), ao Museu Nacional de Belas Artes de Buenos Aires. Ufa.

O VÔO DE CURITIBA A BUENOS AIRES
O vôo iniciou turbulento de Curitiba até metade da viagem – ou seja, durante uma hora sempre de novo sentimos turbulências e parecia que o céu azul por cima das nuvens não existia mais. Finalmente, para meu alívio e de todos, ele apareceu: o céu azul! e daí nos serviram um sanduíche do qual tirei o presunto e pude sentir o sabor maravilhoso do queijo cremoso – queria perguntar a marca, mas esqueci. Falando em marca: pedi se tinham chá e disse que sim. Perguntei qual e ele respondeu: chá! Bem, decidi experimentar o chá com sabor de chá... e não é que tinha sabor de chá !?!

OS CAMPOS DE BUENOS AIRES E SUA FLORA

De cima o que mais me impressionou foram os campos plantados, planos, sem um monte ou montanha!
Depois, quando avistamos a cidade me impressionou o número de árvores – parecia que todas as ruas eram arborizadas e isso é quase verdade – ou seja, a parte nova, que são os bairros mais finos, foram todos arborizados e isso já final de 1800 e início de 1900! Muito avançados!

Optamos por usar o Aeroparque, que fica mais perto da cidade de Buenos Aires, é menor, menos para andar seja a pé ou de táxi, aliás, o traslado já pago desde o Brasil estava a nossa espera.
Logo de início me impressionaram o gênero de árvores – algumas bem diferentes – e eu estava ansiosa, pois se a natureza me encanta, é meio caminho andado – e eu senti que ia gostar da flora da Argentina, digo, de Buenos Aires, pois só ficamos na capital federal, que tal como nosso distrito federal é capital e cidade autônoma ao mesmo tempo.
Aliás, vocês sabiam que a capital da província Buenos Aires (do Estado) é La Plata?

O RIO DE LA PLATA



E já que mencionamos o nome do Rio, ele é enorme... parece um mar, por isso alguns o chamam de Mar de la Plata. Se fosse azul então... ou verde, mas é marrom claro porque vem chegando do interior do País e avança até desembocar no oceano Atlântico, trazendo consigo sedimentos por onde passa. Mas é limpo visto do alto, até vi bancos de areia nos fundos dele.



HOTEL ALVEAR PALACE - clique no título!
Quando minha “chefa” escolheu o hotel ele realmente parecia ser muito bonito pelo site, mas confesso que olhei uma vez e depois tinha tanto ainda para organizar que esqueci o assunto e isso foi ótimo, pois a surpresa foi gigante: ele realmente lembra um palacete. Coisa de louco! O café da manhã então, algo deslumbrante, com música clássica aos fundos, aliás, o dia todo – incluso se ouvia de modo suave nos corredores. O bar majestoso, com suas duas colunas ladeando as entradas. A recepção é um sonho em red com sua gigante árvores natalina toda em vermelho! Que é isso!!  Aliás, agora tive a curiosidade de ver quais imagens mostram no site e nem lembrava do vídeo... gente, ele diz tudo; perto dele minhas fotos parecem preto e branco. Nem vou postar! Salvo da árvore Natalina! Ah, e agora que vi vídeo, aquele loiro, alto, vestido de vermelho que aparece no vídeo, nos servia o suco de laranja e o café por vezes... nossa, falando no suco: que suco é esse? Parece um licor! E o melão? Divino! Sem falar no Pão do Bispo, que uma tia faz com muita categoria e o deles nota dez!

CITY TOUR COM A EVECON
Chegamos quinta a tardezinha e sexta cedo estava prevista a city tour em uma van com guia e motorista particular por assim dizer. Ela foi ótima! Natalia explicou tudo, desde a fundação de Buenos Aires até a transferência da cidade da área central, no final de 1800 para as áreas hoje consideradas nobres, como o bairro Recoleta onde fica o hotel e outros espaços ma-ra-vi-lho-sos, como: a segunda mais bela livraria do mundo, parques divinos, dos quais não deu tempo de ver nenhum de perto, mas próximo ao hotel mesmo há um parque menor, que dava conta do recado e lá perto o Museu de Belas Artes... e artes... gente, por todos os lados. Até... no Cemitério da Recoleta! Passeio imperdível! Estão achando graça? Esperem as fotos!!!

LIVRARIA EL ATENEO

Dispensa comentários! Lá tomei um café com meu primo e ele até me filmou por dentro – vou postar no face para verem minha cara... deslumbrada!
Buenos Aires tem muitas livrarias, dos mais diversos tipos! É a cidade com mais livrarias no mundo, um total de 467!
Leram direito: Buenos Aires é a cidade com mais livrarias no mundo! Agora podem imaginar o que isso significa para mim e em termos de cultura, sem falar das artes... via museus, na arquitetura de inúmeros espaços... estátuas sem fim... nossa, foi um banho e isso que só vimos alguns deles rapidamente, sem entrar, salvo na Catedral de Buenos Aires – um deslumbre em arte!

Quando paramos no centro para ver alguns prédios mais de perto com a Evecon, eu fui fotografando esta belíssima construção e justo ia perguntar do que se tratava, quando a guia explicou ser a Catedral de Buenos Aires, com o nome de Igreja da Santíssima Trindade! Vejam o link que fala por si.
Gente, que é isso??? Isso é diiimaiiis de lindo!

O vídeo do link (clique no título acima), não mostra nem um décimo do que é o show ao vivo. Imagine que durante mais de uma hora dançam grupos de cinco ou seis, depois o casal com o homem mais maduro (mas que é o melhor dançarino de todos! – ele incorpora o tango! Ele é tango!), daí a mulher exótica e alta canta, às vezes solo, às vezes com o rapaz, cujos nomes não gravei – e enquanto isso todo o grupo muda o figurino... que figurino! Que show... só vendo prá crer! E antes do show servem um belo jantar – tudo nota dez. Sem falar no HOTEL FAENA, moderno, mas com estilo! Muito estilo!
Olha eu no tapete vermelho (rojo - pronuncia-se Roho em espanhol e acho que Rojo em portenho), a caminho do jantar e do show! Ki D+++

ENCONTRO COM XAVIER DE MAHIEU NO CAFÉ TORTONI


Que simpatia o filho de Jacques de Mahieu e sua atual esposa Marcela. Foi um papo delicioso onde ele contou detalhes da vida do pai e de como tentaram distorcer suas filosofias políticas, até o History Channel fez isso para sua decepção: desvirtuaram algumas informações... que triste. E maior tristeza é ver quantos livros ele publicou e quantos temos em português! Uma pobreza! 
Aliás, aqui uma dica as Editoras que publicam sobre Antropologia e Arqueologia, afinal, alguém que descobre um drakkar no Amazonas (um barco típico dos Vikings) não merece um voto de confiança quanto à teoria dos Vikings no Brasil e América do Sul, destrinchando assim o mistério de Incas e Índios loiros por nossa América do Sul??
Contou que seu pai tinha um estúdio a uma quadra do Café Tortoni – uma delícia de café, com atmosfera parisiense dos anos 20! Ficamos por lá quatro horas e nem percebemos o tempo passar.

EVITA PERON (UM RESUMO FEITO POR ELISABETH)
Elisabeth, que não pode ir junto ao Cemitério da Recoleta, por isso pediu para fotografar a lápide desta mulher de quem é muito fã e fez este resumo, que achei excelente para incluir neste longo, mas justificado, relato histórico-cultural de Buenos Aires:

Uma vida curtíssima (morreu aos 33 anos), radiante, esplendorosa –
A mãe da Evita foi uma costureira que teve um caso com um homem casado que já tinha uma família com filhos, que se chamava Juan. Com este Juan a mãe dela teve vários filhos, inclusive a Eva, a caçula. Este homem chegou a reconhecer todos os filhos que teve fora do casamento e lhes deu o nome: Duarte. Daí Eva Duarte.
Mas, as humilhações da jovem Eva foram inúmeras, pois naquela época era vergonhosa a situação da mãe dela na condição de mãe solteira.  Quando o tal Juan, pai de Eva, morreu, a mãe pegou seus filhos e os levou para o funeral onde foram escorraçados e enxotados pela esposa legítima e pelos filhos legítimos. A mãe de Eva bateu o pé, fez escândalo e disse que não arredava o pé dali antes que os filhos não beijassem o pai morto. Para evitar maiores escândalos, foi lhes permitido beijar o pai morto. Depois disso a mãe dela se mudou para Buenos Aires, onde a jovem Eva. 15 anos, tentou uma carreira de atriz. As humilhações continuaram a falta de dinheiro, as propostas de cafajestes etc. Ela chegou a ter uma pequena participação em um filme, fez radio novelas etc. porém nunca chegou à fama. Por um daqueles “cliques” do destino conheceu Peron: foi numa apresentação pública (Peron era então Vice- presidente), que estava sentado ao lado de Peron uma jovem atriz, que, por um momento, teve que se levantar. Eva aproveitou a brecha, sentou ao lado dele e disse: “Coronel, obrigada por  você existir! – e aí DEU-SE o grande “bum” do destino.
Eva casou com Perón, se tornou Evita e teve a glória por 7 anos. Foi venerada, pois lutou pelos mais fracos e pobres (conseguiu o voto feminino). Foi também odiada por alguns. Mas, verdade é que foi uma grande mulher!

Achei este link que repassaria hoje a quem quer visitar Buenos Aires. Aqui constam todos os points imperdíveis!

À parte vou postar na página do facebook do Atelier Sergius Erdelyi detalhes relacionados a Arte e sobre o Museo Nacional de Bellas Artes, inclusive para este relato não ficar longo demais - daí vou compartilhar o post na minha pagina no Facebook.

TUDO JUNTO MISTURADO


Bem, cansa só de pensar tudo que ainda gostaria de comentar. Claro que fomos à feira de San Telmo – uma gracinha o ambiente; idem o Caminito (mas não se pode ir sem conhecer a história da criação deste espaço de arte que mistura arquitetura e bancas de tudo um pouco e mais...); a Calle Florida, na verdade é verde (quase não tem flores) e neste quesito nossa Rua das Flores em Curitiba é bem mais bonita! Aliás, só mesmo achei Curitiba para ser comparada, palida ou parcialmente, com Buenos Aires, pois aqui temos o MON e vários espaços culturais e de arte, o Largo da Ordem com a cidade antiga e seus espaços ao ar livre, seja de cafés, restaurantes, artes e temos fora isso várias construções lindas e antigas como da UFPR, da Câmara Municipal e outras, sem falar das áreas verdes – nossos inúmeros parques; enfim Curitiba não faz feio!
A diferença é que em Buenos Aires tudo é grandioso! Quase que espetacular, até o rio de La Plata! E tudo cheira a arte e cultura. As pessoas frequentam os parques, seja lendo, passeando com os cachorros, tomando o famoso mate, enfim... não tem fim a lista do que daria ainda para fazer ou descrever... por isso Voltar é Preciso!!! Melhor: Morar lá é Preciso!!!


DELÍCIAS DE BUENOS AIRES...



... Sentar no parque! Melhor tomando um mate!


... Almoçar com meu primo R. Ruibal na Panera Rosa!
(Alusão a Pantera Cor-de-Rosa, onde tudo é rosa mesmo).
Delícia de mix café / restaurante (como muitos) e sempre com opção de comer dentro e ao ar livre.
Aliás, meu primo também é uma delícia de pessoa ;-)... gentil, bem humorado, inteligente... enfim. Foi uma surpresa a mais que me reservou Buenos Aires... (A gente não se via hace muchos anos... e poe anos nisso).

Curiosidades encontradas na Feira de San Telmo:

Leia o que tá escrito acima da "calcinha" !!!

Veja o que ela tem preso ao boné! (Pose exclusiva para o blog!!!)

Olha que 'cavalinha' mais fofa... toda despenteada!

Amostra da grandiosa Arquitetura:
 Propositalmente não vou mostrar o que fotografei para que vocês tenham, tal como eu, uma surpresa quando forem visitar esta bella ciudad!


Arte ao cubo!

Tanta gente se dando ao luxo de reclamar - incluso eu! - por coisas pequenas, e daí você vê arte sendo produzida pela boca...AO VIVO! 
Teria comprado todas as telas - uma mais bela que a outra!
Finalizo com esta imagem este relato que poderia dar um livro. 
E já aviso: quando forem a Buenos Aires reservem tempo para apreciar esta cidade parisiense-latino-americana!
Seria preciso viver lá pra fazer jus a tanta beleza e riqueza cultural.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos de antemão os que se derem ao trabalho de expor um comentário, pedimos apenas que sejam objetivos, seja na exposição, ou na formulação de dúvidas.